Conheça Potim:

Potim nasceu em terras de Guaratinguetá, em local antes ocupado por índios tupi-guarani, de quem herdou o nome. A tradução mais comum para o nome é “terra dos camarões vermelhos”.

A ocupação dos brancos é do século XVIII, época em que teve início à devoção ao Senhor Bom Jesus.

O povoamento de Potim desenvolveu-se lentamente. Tornou-se uma vila de pescadores e de trabalhadores rurais. Na época da independência do Brasil, o bairro foi o maior produtor de café de Guaratinguetá.

Neste período, além do café, produzia-se ainda açúcar, rapadura, milho, feijão e a famosa farinha de mandioca.

Em mil e novecentos foi inaugurada a ponte ligando Potim a Aparecida, construída com madeira da antiga ponte do Pedregulho, em Guaratinguetá, que havia sido substituída pela ponte metálica, ainda no século anterior. O construtor e proprietário da ponte foi Francisco José de Castro e custou perto de mil conto de réis, que depois de um tempo foi levada pela correnteza do Rio Paraíba e no local foi introduzida uma balsa para a travessia do rio, nos idos de mil novecentos e quatorze.

Somente no ano de mil novencentos e sessenta e seis, o então Governador do Estado, Ademar de Barros Filho, inaugurou a ponte de concreto armado, que perdura até hoje, porém possui limitação de tráfego.

Posteriormente foi inaugurada pelo governador de estado Eng. Mário Covas, a nova ponte de concreto armado, paralela à anterior, 300 metros a jusante, porém mais moderna e que foi denominada "Ministro Roberto Cardoso Alves", ligando Potim à cidade de Aparecida, acesso principal, porta de entrada da cidade pois não há uma entrada direta no município através de uma rodovia.